origem da energia > Origens da Eletricidade

Origens da Eletricidade

1. A origem da energia elétrica
 
O bem estar proporcionado pelo uso generalizado da energia elétrica tem impulsionado o seu consumo, obrigando à utilização crescente de recursos energéticos, com consequências negativas para o ambiente.
A informação sobre a origem da energia elétrica visa convidá-lo a recorrer à sua utilização de uma forma cada vez mais consciente e responsável defendendo o ambiente e a sustentabilidade do planeta, permitindo-lhe, simultaneamente, significativas poupanças na sua fatura de eletricidade.
São os nossos gestos no dia-a-dia que fazem toda a diferença, por isso:
- Substitua as lâmpadas incandescentes por lâmpadas economizadoras;
- Evite ter as luzes ou os equipamentos ligados, quando não for necessário;
- Ao comprar um novo equipamento, verifique a etiqueta energética e opte por aquele que apresenta menor consumo de energia;
- Não deixe os seus aparelhos em modo stand-by, desligue-os no botão;
- Retire os carregadores de bateria da ficha imediatamente após o seu aparelho estar carregado.
 
É a responsabilidade individual no consumo que torna possível gerir as fontes usadas na produção de energia elétrica, na medida em que a redução da produção de energia elétrica permite dar maior relevância à utilização de energias renováveis em detrimento do consumo de combustíveis fósseis, elementos poluidores da atmosfera.
Para que conheça a origem da energia que consome, a EDP Serviço Universal mostra-lhe periodicamente cada uma das tecnologias e os impactes ambientais daí gerados.
Não esqueça, mude o seu mundo que o mundo muda.
 
 
 
 Origem da energia eléctrica 
 
 
2. Impactes Ambientais
 
Apesar dos significativos progressos no desenvolvimento da capacidade de produção de energia proveniente de fontes renováveis – mais de 50% da energia elétrica consumida em Portugal tem origem em tecnologias renováveis – a EDP Serviço Universal, para responder às necessidades dos seus clientes, tem que recorrer também à produção convencional, em centrais termoelétricas que utilizam combustíveis fósseis.

A queima de combustíveis fósseis (carvão, petróleo, gás natural) nas centrais termoelétricas gera impactes ambientais devido à emissão de gases poluentes, contrariamente ao que se passa com as fontes renováveis (exceção feita à queima de biomassa).
 
 
 
 
Impactes ambientais 
 
 
 
 
O principal gás libertado nas centrais termoeléctricas é o dióxido de carbono, vulgarmente conhecido por CO2, que é responsável pelo aumento do efeito de estufa (“prisão” do calor na atmosfera). Os restantes gases poluentes, nocivos para a saúde humana, são o dióxido de enxofre (SO2), que pode contribuir para as chuvas ácidas, e os óxidos de azoto (NOx), que podem contribuir para fenómenos de nevoeiro fotoquímico e também deposições ácidas. São ainda libertadas partículas que, juntamente com o dióxido de enxofre, podem provocar problemas respiratórios. Nas centrais da EDP as emissões de  SO2, NOx e partículas são fortemente limitadas graças às tecnologias de redução (dessulfuração, desnitrificação e despoeiramento) nelas implementadas.

O aumento do efeito de estufa contribui para o aquecimento global do planeta e as chuvas ácidas  têm um impacto negativo na agricultura, nas florestas, nos animais e plantas que habitam lagos e rios, e na erosão de monumentos históricos.

Também os resíduos radioativos, mesmo sendo tratados nos países produtores, têm um efeito prejudicial sobre todos os organismos, incluindo os humanos. Estes resíduos permanecem ativos durante milhares de anos, e os efeitos no homem são transmitidos de pais para filhos. Apesar de Portugal não ter nenhuma central nuclear, uma parte da energia importada de Espanha tem origem nesta tecnologia.

Assim a EDP Serviço Universal considera que é muito importante que os seus clientes conheçam as consequências ambientais da energia que consomem, para que promovam uma maior racionalização da utilização da energia elétrica.


 RESUMO201320142015nov-15dez-15jan-16fev-16mar-16abr-16mai-16jun-16jul-16ago-16set-16out-16
CO2 (g/kWh)
141,58
122,46
185,49189,56185,5446,9238,1572,5845,5362,59187,34227,83214,24318,28249,54
Resíduos radioativos (µg/kWh)
12,90
13,64
9,929,3311,540.390,0010,554,033,2712,2713,6115,1614,5911,09

Nota: As emissões mensais a partir de maio 2016 inclusive foram obtidas utilizando os fatores para 2015 publicados pela ERSE em junho de 2016.


 

Este texto foi escrito ao abrigo do novo Acordo Ortográfico.